Vida Cristã

Reformado = Anti-Revolucionário

Meu pai era piloto da Polícia Montada Real do Canadá e, quando menino, eu tinha muito orgulho dele. Em seu trabalho, ele voou com algumas pessoas famosas (e infames). Provavelmente o mais famoso de todos foi o primeiro-ministro do Canadá. Isso aconteceu por volta de 1980. O primeiro-ministro Pierre Elliot Trudeau tirou férias em turnê pelo Ártico. Estávamos morando em Inuvik, NWT. Meu pai foi encarregado de levar o primeiro-ministro Trudeau de Yellowknife para vários outros pontos do Ártico. Achei isso bem legal. 

Alguns anos depois, eu estava tentando impressionar alguns amigos em minha nova escola em Alberta. Eu disse a eles que meu pai tinha voado com o primeiro-ministro Trudeau. Eu realmente não prestei muita atenção à política naquela época. Recém-chegado na cidade, não fazia ideia de que o PM era extremamente impopular em Alberta. Então, fiquei surpreso quando meus amigos responderam: “Bem, por que seu pai não fez um favor a todos nós e o expulsou do avião enquanto ele estava voando?” 

Talvez você possa perdoar esses tipos de sentimentos vindos de aspirantes a caipiras de 9 anos. À medida que envelhecia, desenvolvi um nível semelhante de animosidade em relação ao primeiro-ministro, especialmente por sua amizade com Fidel Castro, sua introdução do bilinguismo oficial e o Programa Nacional de Energia. Hoje o Canadá tem Justin Trudeau (filho de Pierre) como primeiro-ministro. A hostilidade em relação a ele entre alguns é igual, se não maior, à que existia em relação a seu pai. Mas também aqui na Austrália, há muito ressentimento, raiva e até ódio contra o governo, especialmente no nível estadual.

É lamentável que essas atitudes estejam criando raízes entre os cristãos reformados. Essas atitudes não são bíblicas e não têm lugar na vida dos discípulos de Jesus. A frustração é compreensível, mas o desrespeito não é justificável. Nos últimos dois anos, tenho visto expressões de desrespeito que vão desde xingamentos a pedidos de derrubada revolucionária do governo. Há um espírito rebelde e revolucionário na sociedade e temo que muitos cristãos reformados tenham sido vítimas dele.

É bom voltar à nossa história e aprender como os crentes reformados no passado viveram sob governos frustrantes e até perigosos. Tomemos como exemplo Guido de Brès, autor da Confissão Belga. Ele viveu sob a tirania do rei Filipe II da Espanha. O rei Filipe viu como seu chamado promover a fé católica romana erradicando o protestantismo. As áreas sob seu domínio, especialmente no que hoje chamamos de Holanda e Bélgica, tiveram os maiores números de martírios no século XVI. Como um influente pastor reformado, Guido de Brès estava em sua “lista dos mais procurados” e eles eventualmente o prenderam e o enforcaram.

Guido de Brès escreveu mais do que apenas a Confissão Belga. Ele escreveu dois livros importantes, um contra os católicos romanos e outro contra os anabatistas. Este último foi intitulado La racine, source et fondement des Anabaptistes (A Raiz, Fonte e Fundação dos Anabatistas). Infelizmente, apenas uma pequena parte foi traduzida para o inglês e foi publicada em 1668. Neste livro, de Brès assume os erros de vários anabatistas em seis áreas. Uma dessas áreas tinha a ver com o governo.

O capítulo sobre o Magistrado trata especificamente de um ensinamento problemático de Menno Simons (o fundador dos menonitas): sua rejeição da pena capital. Simons argumentou que se um criminoso se arrependesse e se voltasse para o Senhor antes de sua execução, como outro cristão poderia matá-lo? Como isso refletiria o exemplo compassivo de Cristo, “o manso Cordeiro”? E se um criminoso impenitente tivesse sua vida terminada pela pena capital, seu arrependimento e fé seriam assim impedidos. Este capítulo em La racine é principalmente uma polêmica contra essa posição, argumentando que os governos de fato têm o direito e a responsabilidade de usar a espada para defender a justiça, independentemente do arrependimento do criminoso.

Por mais interessante que isso seja, eu olhei para este capítulo em termos do que de Brès escreve sobre a atitude cristã adequada em relação ao governo. Achei esta seção particularmente interessante:

Agora devemos observar diligentemente que São Paulo chama o Magistrado de “servo de Deus” e “ordenado por Deus” sete vezes. Pois o Espírito Santo quis falar assim, porque sabia que viriam contraditórios em tempos posteriores, que por seu orgulho queriam abolir e aniquilar inteiramente as autoridades que Deus havia estabelecido para o bem dos homens. E quando ele diz que os Magistrados são ordenados por Deus, é porque eles já foram ordenados por Deus através de sua palavra na igreja dos Patriarcas e Israelitas. Assim, somos levados a entender claramente que esta ordenança que Deus fez anteriormente sobre o Magistrado sobre seu povo se mantém hoje na Igreja de Cristo. Estou falando sobre o governo político neste lugar. 

Escrevendo a Tito, ele também o ordena dizendo: “Admoeste-os que se sujeitem aos principados e potestades, que obedeçam aos governadores, que estejam sempre prontos para toda boa obra, que não falem mal de ninguém” (Tit. 3:1-2). São Pedro também ensina o mesmo, dizendo: “Sujeitem-se a toda ordem humana por amor de Deus, ao Rei como superior, aos Governadores como os enviados por ele para castigar os malfeitores e louvar os bons; pois esta é a vontade de Deus” (1 Pe 2:13-15). No mesmo lugar: “Dê honra a todos, ame a fraternidade, tema a Deus, honre o Rei” (1 Pe 2:17). Todas essas sentenças apostólicas devem ser cuidadosamente consideradas, pois por elas vemos que os apóstolos reconhecem a autoridade e o poder primários dos magistrados. Nestes foram constituídos por Deus para ter poder para matar os malfeitores que lhes resistem. Por isso, Paulo diz aqui aos da Igreja: “Se você fizer algo errado, tenha medo. Pois o príncipe não carrega a espada em vão. Ele é o servo de Deus para trazer justiça e ira aos que praticam o mal” (Rm 13:4). Por “espada” o Apóstolo entende o poder da espada para tirar o sangue daqueles que o merecem.

Ao contrário de alguns dos anabatistas que eram revolucionários e sediciosos, de Brès defendia uma visão positiva do governo civil. Essa visão não era exclusiva de de Brès, mas simplesmente ecoava o ensino reformado padrão tanto na Holanda quanto em outros lugares. 

Há algumas coisas a serem observadas em relação a essa citação de La racine . 

Em primeiro lugar, observe como isso está bem fundamentado nas Escrituras. Isso é típico de de Brès em La racine e em seus outros escritos, incluindo a Confissão Belga. 

Em segundo lugar, o que ele escreve aqui é consistente com o que apareceu anteriormente no artigo 36 da Confissão.  La racine foi publicado em 1565; a Confissão Belga em 1561. Não houve mudança na abordagem positiva de de Brès aos magistrados civis. De Brès em 1565 ainda teria concordado com sua Confissão de 1561: “Além disso, todos – não importa de que qualidade, condição ou classificação – devem estar sujeitos aos oficiais civis, pagar impostos, mantê-los em honra e respeito, e obedecê-los em todas as coisas que não estão em desacordo com a Palavra de Deus.” 

A imutabilidade de sua posição está ligada à terceira consideração: entre 1561 e 1565, as coisas não melhoraram sob o rei Filipe II. Na verdade, eles se tornaram muito piores . Durante este período de tempo, de Brès estava vivendo em exílio auto-imposto na França; era muito perigoso para ele em sua terra natal, os Países Baixos. A tirania do rei Filipe II e seus subalternos só ficaram mais fortes e sua perseguição mais intensa. Mas, neste escrito final de de Brès sobre o governo civil, ele mantém a mesma atitude positiva de honra e respeito que fez na Confissão Belga. Um ano depois seria martirizado.

De Brès viveu e morreu sob verdadeira tirania. O que estamos vivenciando hoje não chega nem perto e sugerir que sim revela uma falta de consciência histórica. Mesmo que estejamos convencidos de que vivemos sob um governo tirânico, devemos tomar nota de La racine de de Brès e sua Confissão Belga. Ser revolucionário e antigovernamental não tem nada a ver com a Bíblia. Se você quer ser reformado (o que quer dizer ‘bíblico’), então seja anti-revolucionário. Seja contracultural – respeite seu governo e ore por eles, assim como as Escrituras nos ensinam a fazer.

Wes Bredenhof nasceu em Taber, Alberta, Canadá. Graduou-se com um grau de Bacharel em Artes pela Universidade de Alberta em Edmonton. Ele recebeu o grau de Mestre em Divindade do Seminário Teológico Reformado Canadense em Hamilton, Ontário. Ele também recebeu o Diploma de Missiologia da CRTS. Leia mais.

Fonte: https://bredenhof.ca/2022/02/01/reformed-anti-revolutionary/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s